Osciladores: Momento (ROC), Estocástico, Índice de Força Relativa (IFR Pular para o conteúdo
Área do Aluno proedu Carrinho

Osciladores: Momento (ROC), Estocástico, Índice de Força Relativa (IFR), MACD (Linha e Histograma)

Osciladores: Momento (ROC), Estocástico, Índice de Força Relativa (IFR), MACD (Linha e Histograma)

Osciladores: Momento (ROC), Estocástico, Índice de Força Relativa (IFR), MACD (Linha e Histograma)


É importante lembrar que os osciladores são usados quando o mercado não apresenta uma tendência definida (nem altista, nem baixista), ou seja, quando o mercado caminha lateralmente.

No que se refere à análise técnica, há indicadores de oscilação baseados nos preços e nos volumes. Nos tópicos 7.3 e 7.4, são citados alguns deles. Neste tópico, são abordados especificamente aqueles baseados nos preços; já no tópico seguinte, é citado o principal oscilador baseado em volume.

Entre aqueles que são baseados nos preços, é possível listar os que iremos tratar adiante:

 

Figura - Exemplos de osciladores.

Fonte: Elaborada pelo autor.

 

Rate of Change (ROC)

Rate of Change (ROC) ou Taxa de Variação é um dos principais indicadores de oscilação, que mede a proporção de variação do preço do ativo. O ROC pode ser observado adiante:

 

Assim, ROC é a razão entre o preço de fechamento no instante atual em relação aos preços de fechamentos dos períodos anteriores. Mede a variação percentual de preços de um determinado período. Ou seja: Mede a proporção de variação do preço do ativo

Assim, ROC é a razão entre o preço de fechamento no instante atual em relação aos preços de fechamentos dos períodos anteriores. Para analisar esse indicador, geralmente são utilizadas três linhas de referência:

 

  • Linha central (0% de variação);
  • Linha de superior (100% de variação); e
    • Obs.: não é um máximo intransponível.
  • Linha de mínimo (-100% de variação).
    • Obs.: é um mínimo intransponível.

 

Se o ROC apresenta crescimento, indica a manutenção de uma tendência de alta ou a diminuição da força de uma tendência de baixa. Já se o ROC apresenta decaimento, indica a manutenção de uma tendência de baixa ou a diminuição da força de uma tendência de alta. Resumidamente:

 

ROC > 0: há uma tendência de alta ou perda de força de uma tendência de baixa.

 

ROC < 0 : há uma tendência de baixa ou perda de força de uma tendência de alta.

 

Assim, é sinalizada a oportunidade de compra quando o ROC cruza a linha 0 de baixo para cima. Já quando o ROC cruza a linha 0 de cima para baixo, indica oportunidade de venda.

 

Figura - ROC e oportunidade de compra e venda.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

No exemplo anterior, variações extremas não são alcançadas; porém, é possível perceber com clareza os momentos de entrada e saída do ativo conforme a linha central.

Assim como as divergências apresentadas anteriormente, uma divergência de alta forte (nível A) ocorre quando os preços indicam fundos cada vez mais baixos enquanto o ROC indica alta (momento de compra). Já a divergência de baixa forte (nível A) ocorre quando os preços formam topos cada vez mais altos enquanto o ROC indica topos cada vez menores (momento de venda). Veja a seguir:

 

Figura - Exemplo de divergência de baixa.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

Já a região de sobrecompra e sobrevenda é definida especificamente com base no histórico do ativo. É importante ressaltar que se trata de um indicador que serve como confirmação de uma tendência já analisada através de outros meios.

 

Estocástico

O estocástico é um oscilador que capta a capacidade de as forças de compra/venda encerrarem o período gráfico próximo do máximo ou do mínimo. Por exemplo, capta a capacidade da pressão compradora de encerrar um pregão próximo da máxima observada em um período anterior.

A fim de se obter o estocástico, é necessário construir duas linhas. A primeira delas é chamada de linha rápida, a qual é representada da seguinte forma:

 

 

Nessa fórmula, xt representa o preço de fechamento de um pregão, enquanto Mínτ equivale à mínima de um período τ anterior a ele, e Mαxτrepresenta a máxima de um período τ anterior.

Já a linha lenta (ou suave) é uma média móvel da linha rápida. Ela pode ser escrita da seguinte forma:

 

 

 

 

Ou:

 

Diferentes períodos podem ser adotados para a soma representada pela linha lenta, mas geralmente são realizadas as somas de 3 dias (n=3) da %K. Ou seja, são somados 3 dias da %K, que são divididos por 3. Dessa forma, a linha suave desconsidera mais as oscilações de curto prazo e representa melhor a tendência de longo prazo; enquanto a linha rápida representa melhor as oscilações de curto prazo, visto que concede maior atenção aos últimos acontecimentos.

Essa análise usualmente é aplicada em períodos curtos de tempo, de 5 dias para a linha %K e 3 dias para a linha %D, indo geralmente até no máximo 10 dias observados.

Há duas formas comuns de utilizar o estocástico na prática: o estocástico rápido e o estocástico lento.

 

Estocástico rápido: é construído com base em duas linhas, %K e a %D, traçadas (mais sujeita às oscilações).

 

Estocástico lento: é construído com base na linha %D traçada e em sua média móvel, que chamaremos de %M (a qual também pode ser de 3 dias).

 

A fim de analisar o estocástico, são utilizadas linhas para determinar as sobrecompras e sobrevendas. Como o estocástico oscila entre 0 e 100%, é comum a utilização de zonas próximas desses limites, como 10/90, 15/85, 20/80, 30/70, entre outras.

Caso o estocástico caia abaixo da linha de sobrevenda, é estabelecido o momento de compra. Caso ele suba acima da linha de sobrecompra, define-se o momento de venda.

Outra forma de estabelecer o momento de compra é quando a linha %K cruzar a linha %D de baixo para cima (no rápido) ou quando a %D cruzar a %M de baixo para cima (no lento). Já no caso em que a linha %K cruza a linha %D de cima para baixo (no rápido) ou quando a %D cruzar a %M de cima para baixo (no lento), configura-se o momento de venda. 

Assim como no ROC, caso haja divergência do tipo A, há uma forte indicação de reversão do comportamento dos preços.

 

Índice de Força Relativa (IFR)

O Índice de Força Relativa (IFR) é um dos indicadores mais utilizados. Esse indicador mede a “força do ativo”, ou seja, é utilizado para encontrar o ponto de exaustão do preço de um ativo. É calculado conforme a seguinte expressão:

 

 

Nessa representação, o termo Mmaxτ representa a média dos dias de encerramento na máxima, e o termo Mminτ representa a média dos dias de encerramento na mínima. Ambos em relação ao período τ observado. Ou seja, o IFR  é o resultado da divisão entre as médias de variações dos períodos que tiveram fechamento em alta pelas médias das variações dos períodos que tiveram fechamento em baixa. 

Quanto menor é esse período, maior é a volatilidade do indicador (maior a oscilação do IFR). Esse indicador varia entre 0 e 100.

Geralmente são adotados períodos de 9, 14 e 25 dias, mas esse critério é subjetivo e, assim como os demais indicadores citados, deve ser testado para diferentes períodos a fim de avaliar qual é mais adequado para o ativo analisado. Geralmente, o IFR é utilizado em conjunto com outras formas de análise.

Para estabelecer o nível de compra ou venda, são utilizados os conceitos de sobrecompra e de sobrevenda. As proporções utilizadas para determinar essas linhas são subjetivas e também podem variar entre 10/90, 15/85, 20/80, 30/70, entre outras. Caso esteja acima da linha de sobrecompra, define-se o momento de venda; caso esteja abaixo da linha de sobrevenda, configura o momento de compra. Observe:

 

Figura - Sobrecompra e sobrevenda.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

Nele as divergências também estão presentes e constituem importantes indicadores de tendências. Assim como nos casos anteriores, a diferença entre o sentido do IFR e dos preços pode indicar reversão para a compra (caso os preços indiquem baixa e o IFR alta – para a divergência A) ou reversão para venda (caso os preços indiquem alta e o IFR baixa – para a divergência A):

 

Figura - Reversão para a compra e venda.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

Finalmente (e como modo de complementação), dizer que uma ação possui 'boa força relativa' implica que a taxa do preço da ação possui uma tendência de alta no índice do mercado.

 

Moving Average Convergence Divergence (MACD)

O Moving Average Convergence Divergence (MACD) é um indicador que observa o comportamento entre duas médias móveis. Pode ser traduzido como “Convergência e Divergência de Médias Móveis”. Assim, esse é o indicador que utiliza, no mínimo, duas médias móveis para indicar momentos de compra ou venda. Sua formulação pode ser observada abaixo:

 

 

Isto é, a linha do MACD é composta pela diferença entre uma média móvel de curto prazo e uma média móvel de longo prazo. Geralmente, a média móvel utilizada é exponencial, sendo a MME de 12 dias utilizada para o curto prazo e a MME de 26 dias utilizada para o longo prazo.

Além disso, há um outro elemento: uma linha de sinalização (Ms) que é composta por uma média móvel exponencial de prazo ainda mais curto (geralmente 9 dias). Essa linha pode apresentar pontos com três valores distintos:

 

Caso  MACD > 0 : A MC > ML A , logo o mercado está otimista sobre os movimentos seguintes nos preços.
Caso  MACD < 0 : A MC < ML A , logo o mercado está pessimista sobre os movimentos seguintes nos preços.

Caso  MACD = 0 : A MC = ML A , equilíbrio. Não há definição para o humor do mercado.

 

O MACD transforma duas médias moveis que são rastreadores de tendência, em um oscilador de momentum. Subtrai se a média móvel maior (26) da menor média móvel (12). Utiliza se a MM9 para atuar como linha de sinal e identificar as viradas da tendência.

O indicador consegue demonstrar a tendência e a impulsão dos preços. Quanto maior o movimento de distanciamente  de uma média em relação à outra,maior a leitura. Pois diferenças muito grandes entre as duas médias  são improváveis de continuar por muito tempo.

MACD não é possivel identificar regioes de sobrecompra ou sobrevenda.

 

Figura - Moving Average Convergence Divergence (MACD).

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

A fim de estabelecer momentos para a compra ou venda, é necessário observar a linha de sinalização, pois esse indicador não é particularmente útil para identificar compra ou vendas baseadas nas áreas de sobrecompra ou sobrevenda. Ainda assim, caso o MACD esteja muito alto, significa que a pressão compradora está muito acima do histórico, o que indica uma possível sobrecompra; assim como se o MACD estiver muito baixo, indica uma possível sobrevenda.

Caso o MACD cruze de baixo para cima a linha de sinalização, é apontado um momento para a compra; já quando o MACD cruza a linha de sinalização de cima para baixo, um momento para a venda é indicado. Uma das formas de compará-las é através do histograma: 

 

 

O histograma é positivo quando a linha MACD está acima de sua linha de sinalização e é negativo quando a linha MACD está abaixo dessa linha.

 

Stop and Reverse (SAR) Parabólico

O indicador SAR parabólico, desenvolvido por J. Wells Wilder, é usado por traders para determinar a direção da tendência e reversões potenciais no preço. O indicador usa um método de Stop and Reverse, para identificar pontos de entrada e saída adequados. O indicador SAR parabólico aparece em um gráfico como uma série de pontos, acima ou abaixo do preço de um ativo, dependendo da direção em que o preço está se movendo. Um ponto é colocado abaixo de preço quando há tendência de alta e acima do preço quando há tendência de queda.

Sinais dados pelo indicador:

  • Em uma tendência de alta a curva do indicador aumentará até alcançar um certo nível de preços. Neste ponto, ele mostrará o momento de parar (dar 'stop') e iniciar a posição vendida;
  • Em uma tendência de baixa a curva do indicador cairá até alcançar um certo nível de preço. Neste ponto, ele mostrará o momento de parar (dar 'stop') e iniciar a posição comprada;
  • Em uma tendência de alta ele gera sinal de compra enquanto o indicador se move abaixo do preço;
  • Em uma tendência de baixa ele gera sinal de venda.

Fórmula do SAR Parabólico:

O SAR Parabólico é calculado antecipadamente, pois leva em consideração os preços de hoje para calcular o SAR de manhã. Sua fórmula pode ser descrita como segue:

SARt+1 = SARt + α(PE - SARt),

sendo:

  • SARt+1 = o valor de amanhã do SAR parabólico;
  • SARt = o valor de hoje do SAR parabólico;
  • PE (Ponto Extremo) = Mínima/máxima recorde alcançada na tendência de alta/baixa. Em cada período, se um novo preço mínimo/máximo é atingido, é necessário atualizar o PE da fórmula;
  • α = Fator de aceleração. O valor inicial usualmente utilizado é 0,02. Cada vez que um novo PE é atingido, é acrescentado mais 0,02 ao fator de aceleração, até que chegue ao valor máximo de 0,2.

Diferenças entre o SAR Parabólico e o MACD:

Ambos os modelos rastreiam os preços e ajudam a encontrar tendências, mas fazem isso usando fórmulas diferentes. Enquanto o MACD utiliza o preço médio sobre um determinado período de tempo para gerar um gráfico de tendência, o SAR Parabólico olha para os extremos (máximo e mínimo) e depois aplica o fator de aceleração (α).

Limitações do SAR Parabólico:

Devido a natureza de sua fórmula, o SAR Parabólico sempre está emitindo sinais sobre a tendência dos preços. Acontece que nem sempre esses sinais são fortes o suficiente para indicar a tendência de qualidade. Portanto, muitos dos sinais emitidos pelo SAR Parabólicos podem ser considerados de baixa qualidade, pois nenhuma tendência significativa existe ou está em formação.

 

Voltar para o blog
X Materiais gratuitos do mercado financeiro: cursos, apostilas, vídeos e muito mais    Acessar Agora