Conceito de Momentum, Sobrecompra, Sobrevenda e Divergência

Anteriormente foram apresentados indicadores que se utilizam das médias e do desvio padrão para a tomada de decisão. Entretanto, há análises baseadas na capacidade de aceleração do preço ou volume da série financeira, ou seja, é um índice de mudança dos preços. Os indicadores baseados nessas informações são chamados de indicadores de momentumSão baseados na capacidade de aceleração do preço ou volume. São calculados pela subtração do preço de fechamento atual e o fechamento de “n” períodos. Permitem análises da taxa com que os preços mudam.

Entre os indicadores que utilizam essas informações, podem ser destacados os seguidores de tendência e os osciladores. Os indicadores que utilizam essas informações, podem ser rastreadores e ou osciladores pois é possível medir o quão rapidamente aos preços estão subindo e quão inclinada é a linha de tendencia. Alguns dos principais exemplos são:

 

Figura – Principais exemplos de indicadores de momentum.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

O momentum é, simultaneamente, um oscilador e um seguidor de tendência e pode ser representado pela seguinte expressão:

 

 

Isto é, o momentum é a diferença entre o preço de fechamento no instante atual em relação aos preços de fechamentos dos períodos anteriores. Geralmente é adotado 5 ou 10 períodos anteriores.

A partir dessa fórmula, é possível interpretar que o momentum será positivo se o preço atual for maior que os dos τ períodos anteriores. Quanto maior é essa diferença, maior é o momentum e maior será a inclinação da linha que o representa.

Para que o momentum seja utilizado corretamente é preciso comparar o valor atual com o seu histórico. Para isso, é preciso saber que:

  • Se o ativo apresentou um período de intensa valorização e de forma prolongada, diz-se que está sobrecomprado;
  • Se o ativo apresentou um período de intensa desvalorização e de forma prolongada, diz-se que está sobrevendido.

 

Quando o mercado vai se aproximando do topo, os preços de fechamento vão ficando cada vez mais próximos, assim a linha do Momento começa a se nivelar ou até mesmo a se inclinar na direção contrária ao movimento de preços. Representando uma desaceleração da tendência atual.

A capacidade de medir a aceleração de um movimento de preços que o torna como um oscilador eficiente na  indicação de regiões de sobrecompra e sobrevenda.

Quando o momentum está no fundo e começa a subir, indica compra; já quando está no topo e começa a cair, o momentum indica venda. Para se ter clareza de como identificar esses momentos, no gráfico é apresentada uma linha superior e inferior à linha de momentum. Se o momento cruza a linha superior (que representa a zona de sobrecompra), é o momento de venda; caso ele cruze a linha inferior (que representa a zona de sobrevenda), trata-se do momento de compra. Observe:

 

Figura – Linha de momentum e momento de compra e de venda.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

É possível, assim, traçar linhas de tendência para o próprio indicador de momentum e antecipar movimentos de preços:

 

Figura – Linhas de tendência para o indicador de momentum.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

Desse modo, é possível traçar linhas de tendência para o próprio indicador de momentum e antecipar movimentos de preços. A tendência é observada quando o indicador acompanha o próprio preço.

No entanto, é possível que o indicador não acompanhe o preço. Nesse caso, há divergência. As divergências, nesse contexto, são as diferenças entre os preços e os indicadores. Elas sinalizam a reversão de tendência nos preços e possibilitam consolidar os momentos de encerramento das operações. As divergências podem ser altistas ou baixistas e são classificadas conforme o nível de força (confiabilidade):

 

Divergência altista

De maior força (tipo A): quando os preços fazem um fundo ainda mais baixo que o anterior (tendência de baixa), enquanto o indicador faz um fundo mais alto que o antecedente. Portanto, indica uma possível alta em momentos posteriores (reversão de tendência). Obs.: Maior confiabilidade.

De maior força (tipo B): quando os preços fazem um fundo duplo enquanto o indicador não faz um fundo mais baixo que o anterior. Assim, indica uma possível alta em momentos posteriores (reversão de tendência). Obs.: Média confiabilidade.

De maior força (tipo C): quando os preços fazem um fundo ainda mais baixo que o anterior (tendência de baixa), enquanto o indicador faz um fundo duplo. Esse indicador indica mais uma estagnação do que uma reversão. Obs.: Baixa confiabilidade para reversão.

 

Divergência baixista

De maior força (tipo A): quando os preços fazem um topo ainda mais alto que o anterior (tendência de alta), enquanto o indicador faz um topo mais baixo que o anterior. Portanto, indica uma possível baixa em momentos posteriores (reversão de tendência). Obs.: Maior confiabilidade.

De maior força (tipo B): quando os preços fazem um topo duplo, enquanto o indicador não faz um topo mais alto que o anterior. Desse modo, indica uma possível baixa em momentos posteriores (reversão de tendência). Obs.: Média confiabilidade.

De maior força (tipo C): quando os preços fazem um topo ainda mais alto que o anterior (tendência de alta), enquanto o indicador faz um topo duplo. Isso indica mais uma estagnação do que uma reversão. Obs.: Baixa confiabilidade para reversão.

 


Você não está logado!
Para ter acesso ao curso, .
Doutor em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina e mestre em Economia Aplicada (quantitativa) pela UFPEL. É economista, especializado em Finanças pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atuou como Agente Autônomo de Investimentos (ANCORD), Analista e Controller. Pesquisador com publicações científicas internacionais sobre efeitos spillover e herd behavior no mercado de capitais. Autor de 7 livros.

Pressione F11 para tela cheia
Insira no mínimo 3 caracteres.
Nenhum resultado.
Suporte? Clique aqui.