Escalas Aritmética e Logarítmica

Progresso das Aulas

As escalas utilizadas em um gráfico podem interferir na decisão tomada, pois elas realçam ou diminuem determinados movimentos e, assim, alteram o foco do observador.

A escolha da escala define as proporções dos gráficos e alteram a forma como os movimentos do mercado são demonstrados. A mais comum das escalas é a aritmética (ou escala linear), os gráficos que utilizam dessa escala se assemelham a uma régua pois os intervalos entre as medidas são iguais à unidade utilizada.

 

Figura – Escala Aritmética.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

Nesse gráfico a distância entre as unidades são idênticas, ou seja, a distância entre 2,00 e 4,00 é a mesma que entre 28,00 e 30,00. Essa escala nem sempre é útil, pois os ganhos auferidos com os investimentos se dão em percentual, por exemplo, uma ação que valorizou de 2,00 para 4,00 teve ganho maior em porcentagem do que uma que valorizou de 28,00 para 30,00. Pois de 2,00 para 4,00 teve um ganho de 100%; e de 28,00 para 30,00 teve um ganho de 7,14%

Uma alternativa para essa problemática é a escala logarítmica:

 

Figura – Escala Logarítmica.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

A distância entre os pontos nessa escala se dá em percentual. Ou seja, a distância de 2 a 4 (100%) será a mesma que a distância entre 8 e 16 (100%), assim por diante. Portanto, essa escala permite a comparação entre rentabilidades ou perdas. Observe, por exemplo, dois gráficos distintos para o mesmo ativo e para o mesmo período:

 

Figura – Gráficos em diferentes escalas para um mesmo ativo.

Fonte: Elaborado pelo autor.

 

Os gráficos são respectivamente: logarítmico e aritmético. É perceptível que o gráfico aritmético superestima os ganhos realizados. Além disso, na medida em que são acrescentados valores no eixo vertical a perspectiva de análise do gráfico muda.

O analista técnico deve atentar às variações ocorridas nos ativos, caso elas sejam exponenciais é recomendável utilizar a escala logarítmica que realçam esses comportamentos. Além disso, essa escala tende a dar menos ênfase aos eventos atípicos e realçam mais as tendências de longo prazo.


Doutor em Economia pela Universidade Federal de Santa Catarina. Mestre em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Pelotas. É economista, especializado em Finanças pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atuou como Analista e Controller. Pesquisa efeitos spillover e herd behavior no mercado de ações. Produz estudos sobre basis risk no mercado de derivativos.
Já é registrado?
Esqueceu a senha?
Perdeu sua senha? Digite o seu nome de usuário ou endereço de e-mail. Iremos enviar um link de recuperação para o seu e-mail.
We do not share your personal details with anyone.
Pressione F11 para tela cheia
Insira no mínimo 3 caracteres.
Nenhum resultado.
Suporte? Clique aqui.