Argentina: Inflação, eleições e como isso impacta no Brasil? Pular para o conteúdo
Área do Aluno proedu Carrinho

Argentina: Inflação, eleições e como isso impacta no Brasil?

argentina.inflação.eleições.moeda

Argentina: Inflação, eleições e como isso impacta no Brasil?

Argentina: Inflação, eleições e como isso impacta no Brasil

Nos últimos anos, a Argentina vivenciou uma montanha-russa econômica, com altos índices de inflação, crescente dívida pública e instabilidade financeira. Esses desafios influenciaram as eleições, sendo momentos críticos de escolha entre diferentes abordagens para resolver questões econômicas e sociais.

Mudanças na liderança política refletiram a busca por soluções, mas também alimentaram debates acalorados sobre o futuro do país. A seguir, você poderá encontrar esses fatores explicados de forma mais detalhada.

Como a Argentina chegou a uma Inflação de 138%?

inflação na argentina.

A inflação na Argentina atingiu níveis elevados por uma série de razões complexas e variadas. Alguns dos principais fatores que contribuíram para a alta inflação incluem:

  • Política Monetária e Fiscal: A impressão excessiva de moeda pelo banco central pode gerar inflação. O governo argentino enfrentou desafios para controlar sua política monetária e fiscal, resultando em um aumento da oferta de dinheiro em circulação.
  • Desequilíbrios Econômicos: Déficits orçamentários consistentes e a falta de controle sobre o gasto público podem aumentar a inflação, especialmente se o governo financia esses déficits através da impressão de dinheiro.
  • Desvalorização da Moeda: A desvalorização do peso argentino em relação a outras moedas pode contribuir para a inflação, especialmente se o país depende de importações, pois isso aumenta os custos para os consumidores.

  • Choques Externos: Fatores externos, como flutuações nos preços das commodities ou mudanças nas condições econômicas globais, também podem influenciar a inflação de um país.
  • Expectativas de Inflação: As expectativas dos agentes econômicos desempenham um papel fundamental na determinação da inflação. Se as pessoas esperam que os preços subam, isso pode se tornar uma profecia autorrealizável, já que tendem a agir em conformidade, demandando aumentos salariais e elevando os preços de produtos e serviços.
  • Indexação de Preços: Em certos contextos, quando os preços são indexados às taxas de inflação anteriores, isso pode criar um ciclo inflacionário, onde os aumentos de preços passados levam a aumentos adicionais.

Para combater a inflação, são necessárias políticas macroeconômicas equilibradas, como controle fiscal rigoroso, políticas monetárias prudentes, aumento da confiança no sistema financeiro e políticas que estimulem o crescimento econômico sustentável.

O controle da inflação pode ser desafiador e muitas vezes requer medidas estratégicas de longo prazo para estabilizar a economia.

Como a Eleição de Milei pode impactar o Brasil?

O economista ultraliberal Javier Milei, do partido A Liberdade Avança, venceu neste domingo (19) a eleição para a Presidência da Argentina. Assim, com a vitória, muitos especialistas e veículos de comunicação começaram a repercutir o possível impacto da vitória de Milei na economia brasileira.

Isso ocorre tendo em vista que, durante o período eleitoral, Milei chegou a afirmar que poderia cortar relações com o governo brasileiro e mesmo abandonar o Mercosul e o BRICS (o qual a Argentina passará a fazer parte em 2024), o que veio a trazer dúvidas sobre o futuro dos laços comerciais do Brasil com o seu principal parceiro comercial da região.

Inflação na argentina, e o impacto no brasil.

Sobre a possibilidade de romper com o Brasil, de acordo com economistas consultados pela CNN Brasil, a afirmação não deve ir além do discurso político.

Segundo o ex-economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Roberto Troster: “Acho que não tem risco nenhum. Foi muito mais um discurso para mostrar que era contra a esquerda”.

Por fim, vale destacar que, de acordo com os dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), a Argentina foi o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, com US$ 14,9 bilhões, o equivalente a 5,3% das exportações brasileiras. Somado a isso, em 2023, as exportações do Brasil para o país tiveram um aumento de 13,1% nos primeiros 10 meses de 2023.

Conclusão:

A Argentina tem enfrentado um período desafiador, marcado por problemas econômicos significativos, como uma inflação elevada e instabilidade financeira. Esses desafios desempenharam um papel crucial nas eleições, onde diferentes abordagens para lidar com questões econômicas e sociais foram apresentadas.

A ascensão de Javier Milei, um economista ultraliberal, gerou preocupações sobre possíveis impactos nas relações com o Brasil. Apesar das declarações incisivas de Milei, especialistas indicam que mudanças drásticas nas relações comerciais são improváveis.

A Argentina é o terceiro maior parceiro comercial do Brasil, representando cerca de 5,3% das exportações brasileiras. Além disso, houve um aumento significativo nas exportações brasileiras para a Argentina em 2023. Portanto, a manutenção dessas relações é vital para a economia de ambos.

O futuro das interações comerciais dependerá das políticas adotadas pelo novo governo argentino e de como esses países vizinhos continuarão a fortalecer e preservar seus laços comerciais, reconhecendo a importância mútua dessa relação para o crescimento econômico e a estabilidade regional.

Quer entender mais sobre análise econômica? Acesse nosso curso e domine o assunto!

Voltar para o blog
X Materiais gratuitos do mercado financeiro: cursos, apostilas, vídeos e muito mais    Acessar Agora